EAT, YMYL e Finalidade benéfica: o que são e para que servem as diretrizes de qualidade do Google?

Julia McCoy

Aug 15, 20227 min read
EAT, YMYL e finalidade benéfica: o que as diretrizes de qualidade do Google significam.

Visão geral do artigo

  • O que é EAT e o que são sites YMYL? O que essas siglas significam?
  • A sigla EAT significa “Expertise, Authoritativeness, Trustworthiness” (Especialidade, Autoridade, Confiabilidade) e YMYL significa “Your Money or Your Life” (Seu Dinheiro ou Sua vida).
  • Veja como as diretrizes do Google podem ajudar na forma como você escreve, estrutura e publica conteúdos.

Se você já se perguntou como decifrar o algoritmo de classificação do Google, você não está sozinho.

O Google mantém segredo sobre o funcionamento dos seus algoritmos e sobre o que muda a cada atualização, assim como os impactos que isso traz para profissionais de marketing e SEO. Por conta disso, muitas pessoas fazem um verdadeiro trabalho investigativo para descobrir esses segredos e impedir que seus sites percam posições na SERP.

No entanto, às vezes, o próprio Google fornece informações que nos ajudam a esclarecer algumas dessas dúvidas.

Em 2015, o Google liberou acesso ao seu documento General Guidelines, em resposta a uma versão que vazou na internet.

Essas diretrizes detalham como o Google enxerga cada página na web e como seus algoritmos diferenciam conteúdos de alta qualidade dos demais. Veja quais são elas:

  • Finalidade benéfica
  • E-A-T (Expertise, Authoritativeness, Trustworthiness - em português, Especialidade, Autoridade, Confiabilidade)
  • YMYL (Your Money or Your Life - em português, Seu Dinheiro ou Sua vida)

Tecnicamente, as diretrizes servem como referência para a avaliação do Google por humanos — pessoas que avaliam o desempenho do algoritmo. No entanto, por causa disso, este guia também serve como uma ferramenta essencial para se obter insights sobre o que o Google procura em uma página para considerá-la de alta qualidade.

As respostas são justamente o EAT, o YMYL e a finalidade benéfica – o que elas significam e como se aplicam ao conteúdo.

Vamos ver o que você precisa saber sobre cada uma delas.

Finalidade benéfica, EAT e YMYL: as chaves para entender a definição de qualidade do Google

As General Guidelines foram atualizadas quatro vezes: em julho de 2018, maio de 2019, outubro de 2021 e em julho de 2022. Várias atualizações de algoritmo também ocorreram desde então – algumas muito importantes.

Lembre-se de que essas diretrizes são apenas pistas, e não respostas definitivas sobre os fatores de classificação do Google. Dessa fora, o que pode podemos fazer é analisá-las e buscar compreender seu significado.

Felizmente, há mais do que o suficiente no documento para garantir que nosso conteúdo esteja adequado ao que os algoritmos buscam.

Vamos entender melhor.

Finalidade benéfica

Desde a primeira atualização, uma das mudanças mais significativas foi a nova ênfase em um conceito chamado finalidade benéfica.

O Google faz referência a elas na seção 2.2: Qual é o objetivo de uma página da web?

Qual é o propósito de uma página da web?

“Sites e páginas devem ser criados para ajudar os usuários."

A página deve cumprir a finalidade a que se propõe, mas também deve ser centrada no usuário (para fazê-lo rir, comprar algo, se informar, aprender etc.):

propósitos de uma página

A "finalidade benéfica” é referenciada novamente na seção 3.1 do documento e é citada como o primeiro fator a ser considerado para avaliar a qualidade de uma página.

A atualização do Google Core de junho de 2019 também enfatizou a finalidade benéfica. Os porta-vozes do Google (John Mueller e Danny Sullivan) deram a entender que os sites que perderam posições não tinham “nada para consertar” e a atualização possuía um escopo mais amplo.

Tradução livre: "Costumamos indicar muitas coisas para aprimorar. Melhorar a velocidade do site, levar em conta a segurança etc. Mas não é disso que se trata esta atualização. Ela é ampla. E acho que é útil dizer às pessoas que não há algo específico para "consertar". Significa, espero, que eles pensem de forma mais ampla..."

John Mueller colocou um link para o artigo do Google que destacava a necessidade de "proporcionar a melhor experiência do usuário possível nos sites" para ranquear melhor; o recomendado é "não se concentrar muito no que acham que são os algoritmos ou sinais atuais de classificação do Google".

Ou seja: coloque os usuários em primeiro lugar. A finalidade benéfica se encaixa muito bem nessa definição, porque significa que seu site e seus conteúdos devem ser focados no usuário de modo a beneficiá-lo de alguma forma.

YMYL: Your Money or Your Life

Conteúdos Your Money or Your Life (YMYL) são aqueles que, se apresentados de forma inadequada, falsa ou enganosa, podem impactar diretamente no bem-estar, saúde, segurança ou estabilidade financeira do leitor.

Se você criar uma página YMYL com informações imprecisas ou conselhos ruins, pode afetar a vida e o sustento das pessoas. O Google leva esse conteúdo muito a sério.

Mas o que são os tópicos YMYL? O Google nos dá um resumo na seção 2.3.

Essa parte das diretrizes foi totalmente modificada na atualização de julho de 2022. Anteriormente, o documento elencava diferentes categorias de páginas. Agora, elas foram removidas, e a nova versão traz tópicos com "alto risco de provocar danos". Isso envolve assuntos que podem impactar a saúde, a estabilidade financeira, a segurança das pessoas, bem como o bem-estar da sociedade.

YMYL tópicos

Existem muitos outros tópicos, mas o Google diz que seus avaliadores precisam usar seu senso crítico para determinar se uma página se qualifica como conteúdo YMYL ou não.

E-A-T: Expertise, Authoritativeness, Trustworthiness

EAT é a abreviação de Expertise, Authoritativeness, Trustworthiness, que significam Especialidade (ou Experiência), Autoridade e Confiabilidade.

A atualização de maio de 2019 mudou um pouco a importância do EAT. Agora, é um fator para determinar a qualidade da página, em vez de um sinônimo para a qualidade da página.

qualidade da página - EAT

Uma vez determinado que a página tem uma finalidade benéfica, seu nível de EAT é avaliado para verificar se o seu conteúdo é YMYL. Conteúdos que não sejam YMYL não requerem o mesmo rigor.

1. Expertise: Refere-se ao criador do conteúdo principal da página. É um especialista no assunto? Tem a formação para darmsuporte às suas afirmações? Essas informações estão disponíveis no site?

  • Em uma das atualizações recentes, o Google abriu uma exceção para o que ele chama de “experiência cotidiana”. Isso significa que pessoas com experiência de vida em tópicos específicos podem ser consideradas especialistas, sem a necessidade de treinamento ou educação formal. Isso vale, inclusive, para tópicos YMYL.
  • De acordo com a seção 4.5, o “padrão de especialidade depende do tópico da página”. O documento traz como exemplo que matérias jornalísticas e páginas de divulgação científica devem ater-se a consensos científicos estabelecidos onde haja tal consenso.

2. Authoritativeness: Refere-se ao criador do conteúdo principal, ao conteúdo em si e ao site no qual ele aparece. A definição de "autoridade" nos dá uma pista sobre o que isso significa para o Google:

definição de autoridade no dicionário

“Authoritativeness” significa, portanto, ter a autoridade reconhecida. As pessoas conhecem uma determinada marca, conhecem sua história e a consideram líder no seu setor. Elas a consideram como uma fonte fidedigna de informação.

3. Trustworthiness: A parte “Confiabilidade” do EAT também se refere ao criador do conteúdo principal, ao conteúdo em si e ao site.

Ser um especialista e uma fonte confiável significa que as pessoas podem confiar no site ou na pessoa para fornecer informações verdadeiras e precisas.

Considerações Especiais sobre EAT

As diretrizes destacam determinados tópicos que exigem alto EAT. Páginas que tratam dos seguintes tópicos precisam de conhecimento especializado na criação dos seus conteúdos:

  • Orientações médicas
  • Matérias jornalísticas
  • Divulgação científica
  • Consultoria financeira, jurídica, tributária etc.
  • Orientações sobre assuntos como reformas e paternidade
  • Hobbies que exigem expertise, como fotografia, instrumentos musicais etc.

Conteúdo de alta qualidade é conteúdo especializado e focado no usuário

Para criar conteúdo de alta qualidade para classificar bem na SERP, você precisa observar os três pilares indicados nas General Guidelines do Google: finalidade benéfica, EAT e YMYL.

  • Cada página deve ter uma finalidade, e ela deve beneficiar o usuário.
  • Cada página precisa de especialidade. Algumas páginas exigem níveis mais altos de EAT do que outras devido ao assunto que abordam. Em alguns casos, sobretudo para páginas não YMYL, a evidência da expertise pode ser encontrada no próprio conteúdo.
  • Páginas YMYL precisam que o EAT seja o mais alto possível. Essas páginas podem ter um impacto direto na vida, no sustento ou no bem-estar do leitor.

Por fim, lembre-se de que as diretrizes do Google mudam constantemente. Isso acontece porque as expectativas dos usuários em relação à pesquisa também estão sempre mudando.

O Google precisa acompanhá-las continuamente para permanecer relevante – e você também.

Share
Author Photo
Julia McCoy is a content hacker (noun: growth-focused content marketer). She's the CEO of Express Writers, a content creation agency with over 19,500 successfully completed writing projects since 2011. She's also a bestselling author writing her fourth book, and an industry educator at The Content Hacker™. Read her Write Blog at https://www.expresswriters.com/write-blog and visit her new brand at https://www.contenthacker.com.
More on this