Googlebot: como funciona o robô rastreador do Google

Erich Casagrande

Jan 20, 20238 min de leitura
Googlebot: como funciona o robô rastreador do Google

ÍNDICE

O Googlebot é o robô responsável pela verificação da qualidade das páginas na internet e, consequentemente, a definição das SERPs do Google. Por isso, é essencial entender como esse bot funciona e os critérios que o seu site precisa colocar em prática.

Para qualquer negócio com um site, o objetivo deve sempre ser uma posição de destaque na SERP do Google, não é mesmo? O problema é que essa é uma das tarefas mais difíceis e repleta de desafios. Para começar a superá-los, o primeiro passo é compreender o que é o Googlebot e sua relação com SEO.

Afinal, como funciona o processo para definição do que fica ou não fica entre os principais resultados de uma pesquisa no Google? Quais conteúdos referentes a uma palavra-chave têm mais chances de se destacarem? Tudo passa diretamente pelo trabalho — e critérios — do Googlebot.

O que acha, então, de tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto e entender, de uma vez por todas, o que é o Googlebot e o que você precisa fazer para se destacar aos olhos desse robô? 

Continue a leitura e saiba como essa tecnologia funciona e como otimizar as suas páginas. Confira!

Youtube video thumbnail

O que é o Googlebot?

O Googlebot é o robô desenvolvido pelo Google para realizar uma varredura na internet e identificar quais páginas devem rankear melhor nas SERPs. A ideia desse rastreador — também conhecido como bot, spider ou crawler — é entender quais sites oferecem experiências positivas aos usuários.

De acordo com o próprio Google, a definição dessa ferramenta é a seguinte:

Googlebot é o nome genérico do rastreador da Web do Google. Esse nome é usado para dois tipos diferentes de rastreadores: um rastreador para computadores e outro para dispositivos móveis que simulam a ação de um usuário em cada um desses ambientes.

Em resumo, portanto, o bot é o responsável por avaliar todas as páginas na internet e identificar quais seguem os critérios de melhor experiência para o usuário. A partir disso, é possível definir a ordem de uma SERP e, consequentemente, o rankeamento de um site para determinadas buscas, por exemplo.

Como o Googlebot funciona?

O rastreamento do Googlebot começa por uma lista de URLs que foram avaliadas anteriormente.

A partir delas, o crawler segue para outras páginas interligadas e utiliza, também, o arquivo sitemap enviado ao Search Console. A lista é constantemente atualizada, garantindo que novas páginas sejam encontradas.

Depois, o bot começa a fazer o seu trabalho de análise das páginas.

São inúmeros critérios analisados nesse processo: do título e meta descrição exibidos na SERP às boas práticas de SEO daquele site. Todos esses fatores são considerados na hora de definir as posições de uma página de resultados do Google.

Tudo isso acontece em segundos e de forma constante. O ponto positivo é que o Googlebot não impacta diretamente na performance do seu site, então ele não tem nenhum tipo de impacto negativo para a experiência oferecida aos visitantes das suas páginas.

Qual é o impacto do Googlebot no seu site?

O impacto do Googlebot é enorme em qualquer página da internet. Afinal, esse é o processo de validação das melhores práticas oferecidas aos usuários e, por isso, vai resultar em um melhor ou pior rankeamento do seu site em uma SERP. Na prática, isso pode representar mais ou menos oportunidades.

Como o Google é o principal motor de buscas da internet, ter uma posição de destaque em uma SERP é uma forma de atrair um tráfego maior para as suas páginas e, consequentemente, clientes em potencial. Se o seu site não atende aos critérios do Googlebot, os seus resultados também vão ser ruins.

Por isso é tão importante conhecer e entender como funciona o Googlebot. A partir disso, você pode desenvolver as melhores práticas para garantir que os seus resultados em uma SERP tenham maior destaque.

Como saber se o Googlebot consegue rastrear o seu site?

Quaisquer páginas desenvolvidas utilizando os padrões de HTML com acesso público são rastreadas pelo Googlebot. Já um site criado no Flash, que já foi algo muito comum, não vai ser rastreado.

Além disso, é preciso se preocupar também com a documentação das suas páginas, o chamado robots.txt. Esse arquivo comunica ao bot quais páginas ele deve e não deve rastrear. 

Como bloquear o acesso do Googlebot no seu site?

Bloquear o acesso do Googlebot ao seu site é muito difícil, especialmente para quem quer que o seu site seja visto. De qualquer maneira, o próprio Google já divulgou uma lista de opções que permitem uma página bloquear a ação do crawler, mas os impactos podem ser muito negativos.

Algumas formas de fazê-lo são:

  • Removendo o conteúdo do site (e, nesse caso, fazendo os devidos redirecionamentos da URL);
  • Adicionando senha: ao proteger uma página ou conteúdo com senha, ela é retirada dos resultados de pesquisa ou, caso seja nova, sequer aparecerá;
  • Tag noindex: essa regra serve para informar ao crawler que determinadas páginas ou conteúdos não devem ser indexados. Eles ainda podem ser acessados via links, mas não aparecerão nos resultados de buscas;
  • Robots.txt: você pode indicar vídeos e imagens que devem ser removidas do rastreamento por meio do arquivo robots.txt, bem como indicar páginas que não devam ser rastreadas por meio do comando ‘disallow’.

Em todos os casos, tome muito cuidado para não fazer uma remoção ou bloqueio indevidos e prejudicar os resultados do seu site. Recomendamos que peça orientação ao responsável pelo SEO técnico do seu site.

Como otimizar seu site para o Googlebot?

Agora que você já entendeu como funciona o Googlebot e algumas das suas principais características, o que acha de entender como otimizar o seu site para ter um rankeamento ainda melhor? Veja como abaixo.

1. Use o Search Console

O primeiro passo para se destacar é muito simples: entender o cenário atual das suas páginas. Para isso, utilize o Google Search Console, uma das soluções desenvolvidas pelo próprio Google para ajudar os seus usuários a avaliarem melhor a performance e desempenho das suas páginas.

O objetivo principal dessa ferramenta — gratuita — é fornecer insights valiosos que ajudem a entender o que funciona e o que não funciona na sua página. A partir disso, é possível definir as melhores estratégias para corrigir, por exemplo, fatores que atrapalham a verificação do Googlebot.

Métricas de clique, posição na SERP, desempenho de SEO, enfim, o Google Search Console oferece variados insights para que as suas tomadas de decisão sejam ainda mais eficientes. Afinal, nada melhor do que receber dicas do próprio responsável pelo algoritmo para conseguir mais desempenho, certo?

2. Adote uma cultura de dados

Pode parecer uma dica mais complexa, mas ela é essencial para que os seus resultados apareçam: adotar uma cultura de dados.

O motivo para que isso seja necessário é justamente o foco de qualquer estratégia de SEO ser para o médio e longo prazos. Mas qual é a relação entre esses dois assuntos?

Para que as suas tomadas de decisão se tornem mais eficientes, você deve usar dados para seguir os melhores caminhos. Não faça um site apenas porque acha mais ou menos bonito, mas sim a partir de insights e métricas que direcionem seus esforços.

Em um ambiente tão competitivo, é essencial que a sua equipe tenha a cultura de analisar os dados regularmente, contribuindo para que seus esforços sejam mais eficientes. Especialmente no longo prazo, isso pode ter um impacto bastante significativo.

3. Otimize os títulos de página e meta descrições

Um dos pontos mais importantes para o Googlebot é a experiência do usuário e, por isso, você deve garantir que o primeiro contato dele com os seus conteúdos seja o melhor possível. Para fazer isso, o caminho mais indicado é otimizando o título e intertítulos das suas páginas e as meta descrições.

Quando você faz uma busca na internet, um dos primeiros critérios para diferenciar um conteúdo do outro é justamente o título. Dessa forma, você deve ter em mente que é necessário criar uma chamada honesta, atrativa e que estimule o clique do usuário.

Mas se o título não for o suficiente para convencer o usuário, você tem outra chance de conquistá-lo: por meio da meta descrição. Entre 150 e 160 caracteres, você deve descrever mais detalhes relevantes sobre aquela página, aproveitando a outra oportunidade de convencer o usuário.

Também é importante lembrar que nada disso vai funcionar se, após conseguir o clique do usuário, ele encontrar uma página que não entrega nada daquilo que o título e a meta descrição prometia. Isso aumenta a sua taxa de rejeição e, consequentemente, afeta a avaliação do Googlebot.

4. Estruture o seu site adequadamente

Como falamos acima, você deve se preocupar com o que está fora do seu site para atrair o usuário, mas também na parte interna, pensando em garantir a melhor experiência possível ao usuário. Por conta disso, é essencial investir na estruturação das suas páginas.

Para isso, atente-se aos seguintes pontos:

  • o site deve ter uma velocidade de carregamento rápida;
  • as imagens precisam ser otimizadas para desktop e mobile;
  • o fluxo do site deve ser claro e os CTAs bem planejados. 

Tudo isso vai contribuir diretamente para que o Googlebot entenda que a experiência da sua página é positiva.

5. Invista em SEO

Parte da estruturação do seu site também passa pelo uso das melhores práticas de SEO. 

O usuário precisa encontrar um site otimizado para querer ficar ali e o Googlebot leva esses fatores em consideração durante a sua avaliação. 

Estruture bem os conteúdos, cuide da arquitetura das informações, veja se os intertítulos estão devidamente distribuídos e se as imagens foram otimizadas.

Uma dica interessante é fazer uma busca por todos os seus conteúdos e realizar uma verdadeira auditoria. Agora, você vai ter todos os elementos necessários para entender quais devem ser as mudanças, quais páginas estão rankeando bem e o que deve ser alterado.

6. Acompanhe as métricas de desempenho com frequência

Por fim, o trabalho de rankeamento nas SERPs deve ser constante, ou seja, não existe um resultado final. O que se destacava em 2022 não vai, necessariamente, ter um bom resultado em 2023. Para resolver esse problema, é preciso acompanhar dados, desempenho e as atualizações do Googlebot.

Para se ter uma ideia, a atualização Florida do algoritmo do Google, ainda em 2003, passou a considerar as boas práticas de SEO como um fator relevante. Já em 2013, a atualização Hummingbird fez uma revisão completa no Googlebot e passou a considerar sinônimos das palavras-chave para o rankeamento.

Tudo isso mostra que a busca constante por informação também é muito importante para ter uma performance positiva no seu site. 

Se os critérios de rastreamento do Googlebot mudarem, é preciso entender o que foi alterado e, a partir disso, fazer as modificações necessárias para conseguir o melhor desempenho possível.

Seja fazendo pesquisas por meio do Google Search Console, seja colocando as dicas em prática na estruturação do seu site, é muito importante ter em mente como o Googlebot pode impactar na sua performance no ambiente digital: as otimizações podem ser um diferencial para o seu negócio!

Está em busca de mais dicas para posicionar o seu site em destaque nas SERPs do Google? Então você precisa conferir o guia completo e prático sobre SEO On-Page que produzimos para tirar as suas dúvidas e otimizar todas as suas páginas na internet!

Compartilhar
Author Photo
Trabalho como Marketing Manager Lead da Semrush no Brasil e sou responsável pelas ações de marketing que envolvem a marca em diferentes canais. Sou apaixonado por comunicação e por aprender cada vez mais sobre o universo do Marketing Digital.