Envie um artigo
Ir ao blog

Tendências, Estratégias e Táticas de SEO para 2019

98
Wow-Score
A pontuação Wow-Score mostra o quão atrativa é uma postagem de blog. É calculada com base na relação entre o tempo de leitura de usuários ativos, a velocidade de rolagem e o tamanho do artigo.
Saiba mais

Tendências, Estratégias e Táticas de SEO para 2019

Felipe Bazon
Tendências, Estratégias e Táticas de SEO para 2019

Estamos chegando ao final de um dos anos mais turbulentos da história do SEO devido às grandes atualizações que o algoritmo recebeu e que impactaram diretamente a forma como devemos trabalhar a otimização de sites daqui para frente.

Algumas dessas atualizações foram previamente anunciadas, caso da Mobile-First Indexing e da Mobile Page Speed.

Outras como a Medic Update pegaram muitos SEOs e Content Marketers de surpresa e causaram uma reviravolta na forma como devemos abordar o famigerado conceito "Conteúdo de Qualidade".

Foi com base nessas mudanças e no monitoramento de novas tendências e testes que realizamos na Hedgehog que produzi o conteúdo do webinar "SEO em 2019: Tendências, Estratégias e Táticas" e agora este artigo.

Assim como no webinar, este artigo está divido em duas partes "Previsões e Tendências" e "Estratégias e Táticas"

Portanto, sem mais delongas vamos ao que interessa.

Previsões e Tendências de SEO para 2019

  • Aumentar o reconhecimento e autoridade de marca será ainda mais importante.

Essa foi uma previsão feita em 2017 e que se concretizou em 2018, principalmente após a Medic Update. Desde então o E-A-T passou a ser o assunto mais popular nas rodinhas de SEOs.

Não, não estamos só falando de comer. E-A-T é um acrônimo de Expertise, Authoritativeness and Trustworthiness, que se resume na forma como o Google avalia um site e o seu conteúdo.

Para 2019 será de suma importância dar ênfase na construção de autoridade e reputação da marca para chegar ao topo dos resultados orgânico do Google e outros buscadores.

  • O Crescimento das Buscas por Imagem a.k.a Visual Search

Nos últimos anos, Amazon, Pinterest e claro, o Google vem investindo pesado na busca por imagem. Reflexo do monitoramento do comportamento de busca dos usuários, que cada vez mais utilizam a busca por imagem para encontrar produtos.

O tema Visual Search foi um dos principais tópicos do Dmexco deste ano e é tema de centenas de matérias em portais de notícias e blogs da área de marketing.

Uma das mais interessantes é a do site inglês Campaign que aborda o tema como uma evolução natural do processo de busca e descoberta de novos produtos.

Nunca a expressão "nós compramos com os olhos" fez tanto sentido. É nisso que os gigantes Amazon, Pinterest e Google tem investido. Eles querem popularizar o conceito "Snap to Shop" por meio de ferramentas que encontram o produto a partir de um foto tirado com um smartphone.

O Google imagens passou por várias mudanças nos últimos anos para aprimorar os resultados de buscas relacionadas a produtos, mais um indicador de que cada vez os usuários estão a busca por imagem em suas jornadas de compra.

  • Busca por Voz Continuará Aumentando

Não é preciso de muito conhecimento e nem de uma bola de cristal para saber que a busca por voz continuará sua crescente em 2019. 

De acordo com dados da KPCB relatados no artigo da E-consultancy, a partir de 2020 50% das buscas serão por voz.

  • Dados Estruturados Serão ainda Mais Importantes

Os dados estruturados ajudam a conquistar os Featured Snippets (Posição Zero) e a gerar os "Rich Snippets" (resultados com estrelinhas). Mas o mais importante é que eles ajudam os  bots a rastrear e a compreender o conteúdo de página com mais facilidade.

No último ano o Google ampliou os tipos de dados estruturados aceitos e incentiva o uso dos "Creative Works", quando um ou mais "Schemas" são combinados.

Um claro exemplo da importância dos dados estruturados, que se correlaciona com a previsão anterior, foi o anúncio do Speakable. Estruturação de dados para indicar qual parte do conteúdo deve ser reproduzido nos resultados de busca por voz.

  • UX Será ainda Mais Importante

Da concepção do site ao ajustes de performance, cada vez mais SEO e UX (user experience) estão intrinsecamente ligados.

Engana-se quem pensa que UX está apenas relacionado ao tempo de carregamento. A experiência do usuário deve ser pensada desde a pesquisa de palavras-chave até a publicação do site.

Em um recente artigo do John Mueller publicado no Webmaster Central Blog, o porta voz do Google Search Quality Team enfatiza que devemos focar em oferecer uma ótima experiência para os usuários.

Acho que não precisa mais do que isso para afirmar que UX continuará sendo de suma importância para chegar no topo em 2019.

  • Acessibilidade Como Fator de Ranqueamento

Everyone should be able to access and enjoy de web. We're committed to making that a reality.

Para quem ainda não conhece essa é a tagline do projeto Google Accessibility, projeto que visa fomentar a criação de sites e apps mais acessíveis.

Agora reflitam comigo:

"Se o Google valora sites que oferecem uma boa experiência para o usuário? Porque não utilizar a acessibilidade como fator de ranqueamento, se é que já não utiliza."

A minha previsão é que a acessibilidade seja confirmada oficial como um fator de ranqueamento.

  • AEO: A Evolução da Busca Semântica

O comportamento de busca está evoluindo e cada vez utilizamos o Google para encontrar respostas, seja para problemas de trabalho ou assuntos pessoais.

Essa mudança na intenção de busca deu origem a uma nova disciplina dentro do SEO, o AEO (answer engine optimisation) que se resume em otimizar para as perguntas e dúvidas que o usuários tem em torno de um determidado tópico, produto ou serviço.

O AEO não vai substituir o SEO, ele é uma expansão. Em vez de focar apenas em palavras-chave, agora é preciso mapear e responder todas as dúvidas dos usuários no intuito de ampliar as fontes geradores de tráfego orgânico.

  • JavaScript SEO

Em uma das discussões do canal mais quente de SEO do Reddit, o r/SEO, um dos integrantes perguntou o quanto ele deve aprender de JavaScript e qual relevância dessa linguagem de programação para o SEO.

Para delírio geral da nação, John Mueller respondeu de forma categoria:

"You're going to run into significantly more JavaScript over the next years than in the 2'ish decades in SEO before. If you're keen on technical SEO, then past HTML you're going to need to understand JS more and more.

There's something to be said for making a sleek, static HTML site, that's unlikely to go away. However, in practice, JS frameworks are everywhere nowadays. Given the number of SEOs who have a good grasp on technical SEO for static HTML, if you want to differentiate yourself, understanding how JS works, where it works with SEO, where it blocks SEO, what the effects are on other search engines & clients -- obviously on top of understanding technical SEO -- will make your services much more valuable. Coding isn't something everyone likes to do, and there's enough around SEO which doesn't involve doing that, but if you're keen on JS, there's a big opportunity here."

Em suma, a utilização de JS frameworks só irá aumentar e quem quiser elevar o nível do SEO Técnico terá que aprender sobre JavaScript.

  • Tempo de Carregamento Mobile

Anunciada em janeiro de 2018 e lançada em Julho do mesmo ano a Mobile Speed Update fez com que o algoritmo passasse a considerar apenas o tempo de carregamento em dispositivos móveis, ou seja, o tempo que a página leva para carregar em um smartphone.

Testes realizados com clientes da Inglaterra e Brasil mostraram que o tempo de carregamento tem ganho peso no algoritmo orgânico e essa influência só deve aumentar em 2019.

  • Link Building não, Link Earning

Links externos continuarão sendo um dos principais fatores de ranqueamento, mas nem todo link terá influência no posicionamento orgânico.

O Google está cada vez mais inteligente na identificação e classificação de links externos, não só de links "spam" mas também de links que não foram conquistados naturalmente.

É por isso que em 2019 devemos focar em atrair links e não simplesmente conquistá-los.

Estratégias e Táticas de SEO para 2019

  • Como Aumentar o E-A-T

O foco principal deve ser na construção da autoridade e reputação da marca. Portanto, é importante pensar de forma holística e integrar o SEO de uma vez por todas às estratégias globais de marketing da empresa.

Outro ponto muito importante é a autoria do conteúdo. Os dias dos conteúdos de 2.000 palavras estão contados. É preciso mostrar ao Google que quem "assina" o conteúdo é um especialista.

Esse foi um dos motivos que fez com que a atualização de agosto de 2018 fosse apelidada de Medic Update. Os maiores afetados foram sites com conteúdo médico que não era de autoria de um profissional qualificado da área médica.

Portanto, voltem a olhar para a página do autor com mais carinho e incluam o máximo de informações possíveis para ajudar a comprovar a autoridade do autor.

Não foquem apenas na conquista de links, menções à marca sem links em sites de nicho são importantes também. Mas não substituem os links externos nem tem a mesma influência nos resultados orgânicos.

  • Otimização de Imagens em 2019

O básico continua sendo muito importante. Portanto, não deixem de otimizar o title, nome do arquivo e o ALT das imagens.

Sobre o ALT, é preciso ir além de apenas incluir a palavra-chave dentro dele. É preciso descrever a imagem em detalhe. Pense que sua descrição será interpretada por uma pessoa com deficiência visual e é o ALT quem a ajudará a compreender o que a imagem representa.

É de suma importância trabalhar a marcação semântica também. Geralmente implementada junto com o Schema de Produtos. Mas não deixem de implementar o schema.org/ImageObject em imagens de artigos.

Para quem está começando ou quer aprofundar seus conhecimentos em otimização de imagens recomendo que leiam:

Práticas Recomendadas do Imagens do Google

Web Fundamentals: Otimização de Imagens

  • Otimização para Busca por Voz

A primeira estratégia é pensar fora da caixa de pesquisa do Google. A busca por voz não só é menos dependente do Google como também ocorre em diversos dispositivos.

Você já pesquisou sobre sua marca ou empresa em dispositivo ativado por voz, como por exemplo um Echo ou Alexa da Amazon? Compartilhe sua experiência conosco nos comentários abaixo.

Portanto, otimizar para busca por voz é também otimizar para conquistar o máximo de Featured Snippets possíveis. Por quê?

Estudos comprovam que na grande maioria das vezes os "home assistants" e outros dispositivos "screenless" retornam o resultado em destaque, ou seja, o Featured Snippet.

Voltando a realidade onde ainda recebemos resultados de pesquisa em uma tela. É preciso focar em:

  • Compreender as dúvidas dos usuários e respondê-las de forma clara e objetiva.

  • Mapear as nuances gramaticais e terminologias utilizadas por seu público-alvo.

  • Deixar de confiar apenas em ferramentas de pesquisas de palavras-chave, é preciso ir a campo e conversar diretamente com clientes e consumidores.

  • Dicas de Implementação de Dados Estruturados

A implementação requer conhecimentos básicos de programação e linguagens HTML e JavaScript, uma vez que o Google recomenda que a implementação seja feita via JSON-LD.

Os dados estruturados ajudam o bot a rastrear e compreender com mais facilidade o contexto de uma página.

Para quem está começando ou quer aprofundar seus conhecimentos recomendo que leiam Introdução aos dados estruturados e façam o cursinho do Codelabs do Google.

  • UX Como Parte Integral do SEO

Do ponto de vista do SEO, a experiência do usuário começa pela busca do Google, conforme pontuado por Augusto Sobieski no Medium.

Compreender o comportamento de pesquisa é essencial para o desenvolvimento de um site ou uma nova landing page. É esse comportamento que norteará o layout, o design e até mesmo a navegação de um site.

Além disso, também é importante dar atenção a pontos básicos como:

  • Acessibilidade em dispositivos móveis

  • Tempo de carregamento

  • Diagramação

  • Navegabilidade

  • Estrutura de links internos

  • JavaScript SEO: Vamos começar do Básico

Disclaimer: Não sou programador, entendo apenas o básico de JavaScript, ainda.

Para não programadores como eu recomendo começar por entender como o Googlebot rastreia e processa JavaScript.

A maneira mais simples e fácil é usar a versão 41 do Chrome, pois o Googlebot ainda utilizar essa versão para renderizar páginas. Se o conteúdo ou a navegação do seu site não funcionar nessa versão é bem provável que você tenha um site que o bot terá dificuldades em renderizar o conteúdo.

Você também pode utilizar técnicas com comandos de busca para identificar se o conteúdo foi cacheado pelo google.

site:https://www.seusite.com.br intext:"alguma palavra do conteúdo"

Se o resultado por similar ao da imagem abaixo, o conteúdo foi renderizado pelo bot.

Comando de busca para validar renderização do conteúdo

Não se iludam com o "buscar como o Google" do Search Console, pois a simulação ocorre do lado usuário e faz com o resultado não seja realmente igual a como o Gooblebot rastreia e renderiza uma página.

Um das maneira mais simples de resolver esse tipo de problema é utilizando técnicas de Server Side Rendering. Nesse caso o conteúdo é renderizado no servidor antes de ser entregue para o user-agent, ao contrário do ser renderizado no browser do usuário.

Tudo isso, é claro, partindo do princípio de que o site em questão utiliza um JS Framework.

  • Answer Engine Optimisation

Como o próprio nome já diz, otimizar para um motor de respostas e não apenas buscas.

Portanto, otimize para as dúvidas que os usuários possuem a respeito de seus produtos, serviços e até mesmo da marca.

Comece mapeando essas dúvidas com ferramentas como Answer the Public e a prata da casa Topic Research e não deixe de monitorar a seção "As pessoas também perguntam" nas SERPS das suas principais palavras-chave.

Procure responder todas as dúvidas de forma clara e objetiva. Lembre-se, não é preciso explicar em 2.000 palavras como trocar uma lâmpada para chegar ao topo dos resultados orgânicos.

  • Como Reduzir o tempo de Carregamento Mobile

Todo trabalho de otimização inicia-se com uma boa análise e para analisar o tempo de carregamento mobile existem várias ferramentas, cada uma com sua peculiaridade, que somadas nos munem de diversos pontos de melhorias para reduzirmos o tempo de carregamento de páginas em dispositivos móveis.

Ferramentas de Análise

Google PSI

WebPageTest.org

Web.Dev/measure

CrUX Dashboard

Lista de otimizações básicas

  • Compactar recursos com GZIP. Ativar compactação no servidor

  • Reduzir o número de recursos JS, CSS e HTML. Considere:

  • Aproveitar o cache do navegador e aumentar o tempo de expiração de elementos estáticos

  • Compactação de Imagens

  • Eliminar JS e CSS de bloqueio acima da primeira quebra

  • Reduzir o número de requisição. CSS Sprites e Carregamento assincrono de scripts

  • Habilitar HTTP2

  • Minimizar as ROUNDTRIPS. Considerem https://github.com/google/closure-compiler

  • Otimizar a base de dados com MEMCACHED ou similar

  • Reduzir o TTFB e melhorar a performance do servidor

  • Evitar redirecionamentos em links internos

  • Otimizar a entrega do CSS

  • Priorizar conteúdo acima da primeira rolagem

  • Link Earning e a atração de Links Externos

"Emprestando" o slogan do RD Summit de 2017: "Be so good that they can't ignore you".

Link earning se resume a isso, ser tão bom a ponto de ser referenciado e referenciado no mundo do SEO só significa uma coisa, links externos. Menções sem links também são importantes, mas não tem o mesmo peso de um link externo em um site relevante e de boa reputação.

Link earning é:

  • Gerar conteúdo com valor editorial

  • Contribuir com conteúdo útil e relevante para seu segmento

  • Ser autoridade no segmento que atua

That's all Folks

Gostou desta postagem? Siga-nos no RSS e leia mais postagens interessantes:

RSS
Sócio na agência de Marketing Digital Hedgehog Digital onde atua como Direto de SEO e Content Marketing. Desde 2015 listado entre os top 3 SEOs do Brasil, tendo ganho o prêmio no mesmo ano. Há mais de 10 anos apaixonado por SEO, Content Marketing e Marketing Digital em geral. Já liderou mais de 100 projetos de SEO e Content Marketing em empresas no Brasil, Reino Unido e Europa.
Compartilhar esta postagem
or

Comentários

2000 caracteres restantes
Gustavo Kennedy Renkel
Parabéns, ótimo conteúdo! Acredito muito no UX para 2019, também achei muito interessante o Javascript como forma de otimização.

Não podemos esquecer também os podcasts.
Luis Rengifo
Sensacional Bazon... Excelente conteúdo me ajudou muito. Você é um MONSTRO em SEO te considero bazon juntamente com toda sua equipe "CAROL Link Building" e também incluindo a toda família da SEM RUSH do BRASIL "Marina marques" e companhia... Continue assim sempre estratégico e eficiente nos seus videos. Abraços!
Fala Bazon, tudo bem?

Muito bom o conteúdo. Sobre a questão "como aumentar o E-A-T", seria essa valorização sobre quem assina o conteúdo como uma tendência a ser aplicada pelo Google para outras áreas? Atualmente, temos inúmeros "formadores de opinião" ou "influencers" com blogs e sites, entretanto é muito comum encontrar conteúdo copiado e pouco efetivo ao que foi procurado, sendo essa uma forma de controlar melhor quem e o que é publicado.

Como isso pode evoluir além da área médica nos próximos anos, ou meses. Já viu algo a respeito? Forte abraço!
Sobre o JavaScript, ele normalmente atrasa o carregamento da página. Qual seria sua indicação para trabalhar nesse quesito? Sobre o tempo de carregamento devemos ter uma página com 3 segundos apenas e no caso do javascript existe algum tamanho ou quantidade de javascript no máximo em cada página?
Felipe Bazon
David
A utilização do JavaScript para questões de performance é preciso:
1. Evitar trabalhar seu carregamento inline.
2. Compactar (minificar)
3. Carregar de forma assincrona aqueles que não influência a renderização do conteúdo acima da quebra
4. Retardar o carregamento daqueles que não influência a renderização do conteúdo acima da quebra.

Sobre a quantidade na página não há um limite máximo ou mínimo, até porque existem sites que utilizam Frameworks fazendo com que praticamente todo o código seja em JavaScript.

Espero que tenha esclarecido sua dúvida.

Enviar feedback

Your feedback must contain at least 3 words (10 characters).

Só vamos utilizar este email para te enviar a resposta para o seu feedback. Política de Privacidade

Thank you for your feedback!