6 erros que você não deve cometer ao fazer marketing com vídeos

Com a internet mais rápida, acessível e a popularização do uso de smartphones, a quantidade de vídeos produzidos e distribuídos na internet aumentou consideravelmente. Tanto que hoje esse formato de conteúdo é um dos mais populares e adorados pelo público.

Vídeos são extremamente versáteis, didáticos e muito mais eficientes em diversas situações comunicativas - principalmente quando se quer um contato mais próximo com o público.

Enquanto as pessoas têm perseguido a fama por meio desses conteúdos e os Youtubers acumulam milhares de seguidores em seus canais, muitas marcas têm se aproveitado dos vídeos para melhorar sua estratégia de marketing e, claro, aumentar as vendas.

Quando utilizados no mundo dos negócios, os conteúdos audiovisuais ajudam a melhorar a autoridade e credibilidade de uma empresa e a tornam mais próxima e memorável.

E algumas pesquisas já têm comprovado isso:

  • Segundo um estudo de Consumo e Mídia da ConsumerLab, a maioria das pessoas já considera anúncios online mais relevantes e 43% dos consumidores prefere assistir anúncios baseados em seus dados demográficos e de consumo de vídeo.

  • E enquanto isso, 85% das pessoas que assistem um vídeo sobre um produto dizem ficar mais propensas a comprá-lo, segundo o Media Button.

E não para por aí: os vídeos são relevantes em termos de SEO, deixam seu conteúdo mais rico e podem melhorar inclusive sua estratégia de email marketing.

Porém, apesar de todos esses benefícios, muita gente ainda fica frustrada quando começa a trabalhar com vídeos. E sabe por que isso acontece? Porque, na maioria das vezes, elas cometem erros básicos - porém muito graves - que acabam impactando toda a estratégia e os resultados da empresa.

Então, para te ajudar a evitar esse problema e garantir que você terá um excelente retorno com seus vídeos, nós separamos abaixo 6 falhas que você não deve cometer ao fazer marketing com vídeos. Vamos te explicar sobre a gravidade de cada uma delas e te dar também algumas dicas para contornar esses pontos.

1. Não levar em conta sua estratégia como um todo

O primeiro e mais comum erro que as pessoas cometem ao se tratar de marketing com vídeos é não planejar as ações e tratar os conteúdos audiovisuais de forma separada do restante da estratégia.

Se você está produzindo vídeos para ajudar no marketing, assim como com qualquer outra ação, você precisa fazer isso de forma bem pensada e alinhada ao posicionamento de seu negócio. Do contrário, tudo que você conseguirá é perder credibilidade perante sua audiência.

Por exemplo, se você adota uma postura séria e corporativa em sua comunicação e em seu marketing, não faz sentido começar a produzir e divulgar vídeos de memes e de gatinhos.

E além desse alinhamento, é sempre preciso planejar suas ações e executá-las de forma organizada. Antes de começar a produzir um vídeo apenas para "ficar na moda", tente pensar em pontos como:

  • Qual o objetivo do meu vídeo? É geração de leads? Aumento de autoridade? É explicar o negócio?

  • Qual é o melhor formato e tipo de conteúdo para que eu atinja meu objetivo? Um tutorial? Um vídeo institucional? Uma videoaula?

  • Onde eu vou divulgar esse vídeo? Redes sociais? Email? Blog?

Com isso tudo documentado, você deve então fazer um roteiro junto com sua equipe e só então partir para a etapa de produção do vídeo.

Isso tudo vai ajudar a garantir que você tenha materiais mais assertivos e que tenha um excelente retorno com eles.  

2. Não pensar na duração

Outro erro que as pessoas cometem bastante é não planejar o tempo do vídeo. Um vídeo curto demais pode acabar omitindo informações importantes, enquanto um vídeo longo demais pode ser cansativo e fazer com que o público o abandone antes do fim.

Por isso, a partir de informações sobre sua audiência e do que você definiu na etapa de planejamento, você deve pensar em uma duração que seja razoável. Se a ideia é fazer alguns vídeos com conteúdo para as redes sociais, por exemplo, você deve levar em conta que nas redes as pessoas prezam pelo consumo rápido de conteúdo e que raramente alguém se dispõe a parar por mais de dois minutos para ver um vídeo. Já se você vai produzir uma videoaula para um conteúdo no blog, é normal que ela seja um pouco mais extensa - afinal, você precisa explicar seu tema de forma clara e completa.

Independente do vídeo, é bom lembrar que a duração correta é sempre aquela que te permite atingir seu objetivo, sem enrolações, detalhes irrelevantes e "encheção de linguiça".

3. Não caprichar nos segundos iniciais

Conseguir atrair a atenção do público e retê-la durante o resto do vídeo é uma tarefa bastante complicada para qualquer profissional. Com tantas distrações e outras opções de conteúdo, se o seu material não for atrativo logo nos primeiros segundos, ele com certeza será ignorado e acabará não trazendo os resultados esperados para seu negócio. Por isso, é importante pensar bastante sobre o primeiro impacto que você quer causar com seu vídeo e caprichar em elementos como a thumbnail e a introdução.

Uma boa thumbnail (aquela miniatura que aparece antes do vídeo começar a tocar) é essencial para chamar atenção do público e fazer com que ele clique no seu conteúdo. Trabalhar com frases e imagens chamativas nesse item é fundamental!

Porém, é preciso lembrar também que de nada adianta se você conseguir fazer as pessoas clicarem em seu conteúdo, mas elas o abandonarem logo em seguida, antes de você passar sua mensagem.

Especialistas dizem que um vídeo tem mais ou menos 20 segundos para encantar o espectador, antes que ele desista do conteúdo.

Por isso também é essencial trabalhar em uma boa introdução de vídeo! Pense em locais de gravação diferentes, faça perguntas que agucem a curiosidade das pessoas, invista em uma vinheta e pense em outros elementos que sejam atrativos.

Assim você tem mais chance de engajar seu público e de ter um excelente retorno com os vídeos que produziu.  

4. Usar o mesmo vídeo em todos os canais de comunicação

Cada canal de comunicação tem suas particularidades e isso deve ser levado em conta em todas as suas ações de marketing - incluindo vídeos.

Tentar usar o mesmo vídeo em seu Facebook, Instagram, site e LinkedIn, na maioria das vezes, pode acabar sendo um "tiro no pé" e isso vai impactar diretamente em seus resultados. Basta pensar, por exemplo, na diferença de público em cada um desses locais e no tipo de conteúdo que eles esperam.

Enquanto, por exemplo, no Instagram o foco são vídeos curtos, bonitos e descontraídos, de até 1min, no LinkedIn é preciso ser mais profissional, sério, e há espaço para conteúdos mais densos.

Ao mesmo tempo, um tutorial de 10min que foi um sucesso em seu blog, se não for adaptado, pode ser um fracasso em outras redes sociais.

Portanto, é sempre preciso pensar em cada canal de forma separada e definir qual é a melhor forma de abordar seu conteúdo. Na maioria das vezes, você não precisa produzir um conteúdo novo para cada ambiente: uma adaptação já basta e pode ser o diferencial entre o sucesso e o fracasso de sua estratégia.

5. Gravar com baixa qualidade técnica

Uma das piores coisas da internet é você se interessar por um conteúdo em formato de vídeo, e, ao dar o play, perceber que a imagem dele está incompreensível ou o áudio está ruim e cheio de ecos e chiados.  A frustração é tão grande, que você chega a ficar bravo com a empresa e com certeza vai pensar duas vezes antes de clicar em algo dela novamente.

E infelizmente, pela produção de vídeos ser algo ainda relativamente novo para as empresas, muitas cometem graves erros técnicos e comprometem a experiência da audiência ao consumir o conteúdo. Isso é algo que não pode acontecer!

Hoje já existe muita informação disponível sobre produção de vídeos na internet e é sempre bom lembrar que qualidade técnica não é sinônimo de gastar muito dinheiro com equipamentos e equipe. Um pouco de conhecimento sobre gravação em muitos casos já é o suficiente para melhorar em 100% a qualidade de um conteúdo audiovisual.

Para começar a produzir bons vídeos, comece a entender pelo menos sobre roteiro, iluminação, áudio e edição. Isso será excelente para te dar mais qualidade técnica nas gravações e para melhorar seu retorno com vídeos.  

6. Não investir em um bom conteúdo

Por fim, é preciso destacar que a parte mais importante de qualquer vídeo é o conteúdo. De nada adianta você ter uma super produção se, no final das contas, tudo que há no seu material é "blá blá blá".

Você deve sempre fazer seus vídeos pensando nos problemas e necessidades reais da sua audiência e focando em oferecer soluções a eles. Assim, você já dá um passo muito importante em direção ao sucesso com conteúdos audiovisuais.

Para que você tenha uma boa noção do que deve abordar em seus vídeos, como para qualquer outra ação de marketing, lembre-se sempre de usar suas personas (e se você não tem personas em sua estratégia de marketing, deveria construir imediatamente!).

Dessa forma, você consegue mais assertividade e eficiência com seus materiais.  

Conclusão

Agora que você já conhece os principais pontos que podem estar comprometendo a efetividade dos seus vídeos, é hora de revisar sua estratégia e ver como você pode melhorá-la.

No final das contas, o foco deve ser sempre a sua audiência - sua experiência, problemas, dúvidas e medos. Pensando nela e se colocando em seu lugar, você com certeza conseguirá melhores resultados.

Preparado para fazer sua estratégia de marketing com vídeos decolar? Então: luz, câmera e ação!

Comentários

Add a comment